sábado

Do amor e das cartas de amor

"Minha querida sonsinha,
Esqueci‑me — não posso encontrar‑me contigo amanhã (quarta‑feira), mas na quinta sim, à mesma hora. Espero que tenhas deitado devidamente na cama a minha carta. A tua luva dormiu comigo a noite toda — desabotoada — mas tirando isso comportou‑se com muito decoro — como a sua dona. 
Por favor, deixa em casa o espartilho, que eu não gosto de abraçar marcos do correio. Ouviste agora? (Ela ri‑se.) O meu coração — como tu dizes — também, completamente.
Um beijo de vinte e cinco minutos no teu pescoço."
Aujey

(In: James Joyce, CARTAS A NORA)